domingo, 2 de novembro de 2008

a um mestre com carinho...

KB:

parabens pelas exposições sôbre o que ocorre nos panoramas macro-econômicos mundiais e em especial por êste seu último post, com os incisivos quadros mostrados sôbre a economia Chinesa, justamente um país, tido por alguns dos ditos analistas da dita imprensa especializada em besteirol econômico, como uma das válvulas de segurança e ou possiveis bóias de salvação, diante da atual terrivel e devastadora onda tsú.

apenas como lembrete, a China se ainda não é, pelo menos era, até pouquíssimo tempo, o maior financiador do monumental deficit dos EUA e seu maior credor internacional.

e pode até chegar, no desenrolar das consequências desta endemia, a hora de ela precisar de cobrar a conta, ou pelo menos parte dela, tendo que parar de rolar títulos públicos gringos ou ajustando a balança, para comprar comida básica para o seu povo (já que deu stop no armazenamento de gigantescos estoques de matérias primas do seu ambicioso e ora postergado projeto 'maior nação do mundo'); essa coisa, a comida, que vai ficar muito cara - pois o mundo todo, que vai continuar crescendo (crescendo, but, demogràficamente only, sorry) - deverá e vai brecar muitas variaveis de consumo, menos essa, a dos alimentos: pensemos um montão de gente com fome...

e fora minha tese da impressora, tio Sam, neste arrôcho, pagaria como?...ou com o Q?

e creio que pela conjuntura sócio-política e seu mercado interno humano, seja, dos quatro grandes países emergentes, o tal BRIC, justamente ela, a China, ao contrário dos palpites gerais, o mais vulneravel, digamos assim o menos "blindado", diante dos efeitos do atual tsunami e seus desdobramentos perversos sôbre a economia mundial.

já olhando apenas o lado humano, é realmente muito triste e desanimador que a gente humilde e pobre da nação mais populosa do mundo, venha a ser possivelmente a massa humana mais penalizada pelas desmedidas cataplutagens irracionais de Derivativos, dos mega gananciosos, irresponsaveis, sofisticados e chics fdp big-shots de WS e adjacências.

de bom, de tudo isso - eis que após tôda tempestade advêm bonanzas - seria, entre outras possiveis consequências benéficas - pós crise - o enfraquecer-se, frente aos olhos e a opinião da população, principalmente a mais jovem, o Sistema Totalitário por lá, abrindo caminho para uma melhor relação - hoje sòmente superior a ridículos sistemas ditatoriais (tipo o estilo emburrecedor Chavez) - entre Poder e População.

ou não, se prevalecerem as teses dos já berrantes arautos de uma estatização saneadora 'permanente' de instituições podres do agora dantesco (by U) SF; com pitada de saudosismo intervencionista, como o do alegre Francês; em contraposição aos modelos (como o da Suécia, já citado aqui no blog) de estatizações provisórias, apenas para saneamento e que parece ser a ideia, bem disfarçada com compra de ativos, do Meirelles por aqui... será que a turma dêle anda lendo o nosso blog?... rsrs.


market tupiniquim?...é, o tal pull-back aqui anunciado foi lindo, não foi?...a ver.

BOA SORTE PARA NÓS TODOS; podemos, digo, devemos, PRECISAR. E EU FUI PESCAR.

Um comentário:

Triloco disse...

As considerações do KB deixam claro quais estratégias devem ser adotadas para quem quer sobreviver.
Parabéns pelo excelente trabalho de Pesquisa & Desenvolvimento em uma arena tão difícil de ser enfrentada como a dos mercados
Triloco