sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mercado Superlativo

O volume financeiro normalizado das ações da carteira do SPX no 1° dia da semana em curso, um dia de baixa em que o índice rompeu sua mínima intradia registrada no ano, foi até então o 4° maior de sua história. Na terça-feira o volume foi o 2° maior, somente superado pelo recorde atingido em 23 de janeiro de 2008. Na quarta-feira o volume superou o antigo recorde histórico e que facilmente batido ontem, dia 18 de setembro, quando registrou um valor superlativo.

Os últimos 3 pregões criaram um caixote entre 1133 e 1214 pontos, sendo que o SPX fechou em torno de 1207 pontos, apenas 0,6% abaixo do seu teto. O trigger para a reversão das perdas ontem foi a notícia de que será criada uma instituição que absorverá os ativos dos bancos com problemas de liquidez a um preço justo, leia-se, por uma bela facada, porém melhor do que se poderia obter em um mercado em estado de pânico.

Buy change, ou seja, compre uma mudança de cenário quando houver um price action compatível com a importância do trigger, no caso a mitigação do risco sistêmico com a criação da instituição governamental. O volume recorde ontem foi bem distribuído entre os diversos setores da carteira do SPX, tendo subido 90% das ações da carteira. O dia somente não foi perfeito em termos de price action porque não rompeu os 1214 pontos, o teto do caixote, porém faltou apenas 0,6% para tanto. Caso supere o teto nessa sexta-feira, muitos players que se deixaram levar pelo pânico ou que shortaram o mercado ficarão em uma situação bastante desconfortável, com boas chances então de haver uma retro-alimentação do movimento via short covering.

A pc ratio equity-only da CBOE e a volatilidade implícita das opções do SPX, que chegou a registrar máxima intradia em 42,16% aa, ingressaram no status de panic mode. Recordes sucessivos de volumes, 2 importantes indicadores de sentimento revelando extremo pessimismo e um trigger, indicam que as chances de um oversold rally são bastante elevadas. Também vem me chamando a atenção o excelente desempenho relativo do setor de consumo discricionário. Há chances de uma reversão duradoura?

Apesar de importantes ingredientes para um fundo terem sido atendidos, faltaram outros tão importantes quanto. O setor de tecnologia permaneceu mostrando um desempenho inferior ao dos demais, o setor staples (defensivo) é o que tem apresentado entre todos o melhor desempenho relativo, a pc ratio equity-only da ISE, que expurga do seu cálculo as corretoras e os market makers, revelou apenas traços de pessimismo, o recuo no spread HY ontem foi pequeno e a rentabilidade de um fundo HY que monitoro registrou nova mínima no ano. Além disso, em um bear market fundos feitos com volumes recordes costumam ser visitados no futuro.

Há boas chances do rali ter uma duração suficiente para deixar ansiosos alguns investidores temerosos de terem perdido a oportunidade do ano, mas do ponto de vista técnico faltaram ingredientes para uma aposta agressiva numa posição comprada. Daí concluir que deve-se shortar na força, nem pensar. O short, sendo uma operação bem mais difícil de ser implementada, convém ser feita somente quando o goleiro estiver batido e o gol escancarado.

Do lado dos fundamentos, o quadro permanece terrível. O Múltiplo continua elevado, sem a chancela dos modelos, e dos 9 indicadores antecedentes do lucro, apenas um indica possibilidades de recuperação. Não custa lembrar que o setor de tecnologia, além de apresentar o maior peso na carteira é um dos mais sensíveis ao ciclo econômico e, portanto, o seu péssimo desempenho relativo também se alinha à avaliação dos fundamentos.

No caso do Bovespa, o quadro técnico é bem semelhante, com os volumes nos últimos dias rivalizando com os recordes históricos, mas sem superá-los, havendo portanto boas chances de um relief rally. Do lado dos fundamentos, o agravante em nosso mercado é que a recessão ou uma forte desaceleração nos lucros mal começou, enquanto que no SPX o ciclo recessivo já se encontra em fase bem adiantada.

Para piorar muito o quadro, apesar das enormes perdas sofridas as pessoas físicas se recusam a desovar as suas gigantescas posições assumidas nos últimos meses na Bovespa. As pessoas físicas podem entrar diretamente no mercado, quase sempre na compra, através de um trading direto na bolsa ou via fundos, e indiretamente através de um fundo multimercado e nesse caso a decisão é de responsabilidade do gestor.

Por alguma razão, as operações das pessoas físicas via trading na bolsa são muito mais informativas do que as operações através dos fundos, talvez devido ao perfil do especulador. A figura abaixo mostra o fluxo líquido acumulado e normalizado das operações via trading realizadas pelas pessoas físicas desde o início de abril desse ano.


Fonte: Bovespa, KB

Durante todo o bull market, que começou em 2002, as pessoas físicas foram vendedoras líquidas no trading, tendo mudado essa estratégia somente a partir do mês de novembro de 2007, quando passaram a operar na ponta de compra, exceto no mês de abril quando retornaram à ponta de venda, justamente à véspera do investment grade.

Como a figura acima mostra exclusivamente o fluxo acumulado a partir do início de abril, somente a partir do dia 19 de maio é que as pessoas físicas retornaram à ponta compradora, quadro mostrado pela inflexão para cima da curva vermelha no gráfico acima. Caso o gráfico cobrisse a evolução do fluxo desde novembro do ano passado, o fluxo acumulado estaria em território positivo, não obstante as vendas em abril. Quando foi que o índice Bovespa registrou o seu pico histórico? Resposta, justamente quando os retail investors retornaram às compras.

Retornaram com uma voracidade ímpar. Via trading direto na bolsa foram U$ 2,8 bilhões e através das aplicações nos fundos U$ 1,4 bilhão, totalizando U$ 4,2 bilhões no mês de junho. Nos 12 meses findos em agosto as pessoas físicas injetaram na bolsa via trading e via fundos (sem considerar os multimercados), ou seja, por uma decisão própria, cerca de U$ 12 bilhões, uma soma considerável para o tamanho do nosso mercado.

E o pior da história está por vir. O gráfico acima mostra que esses investidores não retiraram um tostão sequer do mercado desde então, apesar das enormes perdas sofridas. Tão ou mais importante do que o volume aplicado no mercado por essa categoria de investidor é o fato das pessoas físicas serem a caixa de ressonância dos formadores de opinião. Sob esse enfoque, não há sinalização pior do que essa.

8 comentários:

aguia disse...

Mester KB:

a tempos assisti a uma caçada de patos, coisa pra lá de interessante:

os caras de muita bala, donos da espingarda, ficam na beiradona de uma baita lagoa, bem escondinhos, tocando um apito; um toca aqui, outro responde dali; outro de lá; mais um outro de acolá, etc [deve ser o tipo de marketing com o Vicente, digo, convicente (ou K K, tanto faz, uái); deve ser a mídia lá dêles] com som de reco-reco/kuen-kuen/kuá-kuá/K K/ e os patos... nada, nadinha.

até que um ou outro patinho mais curioso, talvez dos mais novinhos e insipientes, sobrevoe a lagoa e aí vem mais alguns e acaba vindo a turma tôda, fazendo 12 bi, digo duzias de bis respondendo aos apitos... putz, junta um puta bando, fica massa de se ver; e aí, né....

qua... kuá-kuá; quá...

...e daí?


esqueci.

Samuel Ramos disse...

Volatilidade de curt de Petr e Vale em 63%, VIX em 31 (vixi).

É, virou um cassinão superlativo.
hehe

Se não me engano hoje era dia de vencimento na matriz, e a medida da SEC contra o feio, bobo, malvado e chato short selling veio às 2 da madruga (horário de ny), bem como o anúncio das outras swaporamas do FED e a garantia do Tesouro aos money markets.

É o governo Bush trabalhando 24*7*365 para ajudar o investidor.

Sds!

PS: Corrigi a informação no saite, sorry pelo mal entendido.

smarca disse...

KB, você diria que hoje foi DCA arrasa quarteirão, como bem comentou dias atrás?

PS: Não tem nada de cassinão o mercado. Infelizmente não tenho como postar um longo texto que enviei para os amigos donos do blog que são os únicos dos quais possuo e-mail.

Ou felizmente, vá saber! Hahaha ...

Samuel Ramos disse...

Em outros tempos eu não concordaria com o termo "cassinão", mas com volatilidade de 60%, estou abrindo uma exceção nesse momento.

Ricardo disse...

Muito bom o Blog, Parabéns aos colaboradores, apesar de ter q ler duas vezes, alguns textos, para melhor interpretação..:), depois de ler todo o blog, entendo pq deletaram meu post com link do blog, no forum do cao.

(descobri esse, pelo Blog do Samuel, outro belo trabalho !!!)

Abraço.

aguia disse...

Mestre S:

Ca$$inão, mas só no geral; no particular das opiças são os caça-niqueis das ante-salas. Aproveite o Samba antes que apareça o crioulo doido e rode a baiana; chute o balde e vire a mesa.


Ricardo:

não se ressinta de terem 'apagado' pôrrrraí algo assim que pareça, a êle, o tal apagador, sombreá-lo ou assombrar; quando aqui, na verdade explícita (e implícita), só oferecemos sombra sincera; honesta; ("...") e amiga; SEM SEGUNDAS INTENÇÕES...

já ia alongar e só não acrescentei "transparente" porque se uma coisa é transparente não dá sombra, k-çild's!

mesmo porque êste negócio de apagar
acaba saindo mais caro e até pela culatra (êpa...) para quem apaga. vou dar um exemplo: certa vez apagaram o Bob pôrrrrrraí e nós, seus amigos, assim ofendidos, fomos todos atraz dêle (calma, mano Ice: atraz, BUT, no bom sentido, of course).

...quanto a ler 2 vêzes, tá de parabéns: tem coisa que sai aqui que eu não entendo nem lendo 3.

quá.

smarca disse...

Ricardo, o aguia le 3 vezes aquilo que ele mesmo escreve pra tentar entender e, na maioria das vezes, não consegue, hahaha ...

Mas é um gentleman, isso eu posso assegurar.

smarca disse...

O "after" da BMF (que vale para o D+1, segunda-feira) foi surrealista hoje: uma fila de compradores nos 53115 (limite do tunel hoje) e nenhum vendedor.

Bob, poderia depois informar o limite do tunel para segunda-feira?

Bom final de semana a todos, mas provavelmente retorne aqui neste espaço para encher o saco de alguém, minha especialidade, além de falar bobagens sobre o mercado, quá.