terça-feira, 23 de setembro de 2008

De Olho nos Investidores Individuais

Tenho feito poucos comentários sobre o nosso mercado de ações porque há um dado tão negativo que sobressai sobre o price action e valuation, e que se trata do posicionamento dos investidores individuais. No acompanhamento do fluxo de todas as categorias dos investidores eu noto que os estrangeiros sempre mereceram mais atenção. No entanto, no meu julgamento, devido às enormes somas investidas nos últimos meses pelas pessoas físicas, os seus passos serão, até diminuírem as suas posições, mais informativos.

Tenho insistido, e volto a repetir, que os movimentos no mercado de ações dessa categoria de investidor ecoam os discursos dos formadores de opinião. A única explicação que eu encontro para o fato desses investidores não terem desovado as suas expressivas posições compradas recentemente no trading direto na bolsa, mal compradas por sinal, é que os seus mentores ainda não entenderam que o longo processo de deleverage afetará negativamente os preços de todos ativos de risco no mundo inteiro.

A mim não é concebível, e não tem precedente na história, que esses investidores, com pouca educação financeira e sem ter vivido a montanha russa que é o nosso mercado, sejam bem sucedidos no trading na bolsa. Casos isolados e marinheiros de primeira viagem sempre existirão, porém a minha atenção é para o comportamento médio dessa categoria.

Esses investidores desovarão suas posições no mercado com perdas, infelizmente. Suspeito que esse movimento poderá acontecer na próxima fase de baixa porque deverá doer fundo em seus bolsos. Se essa lógica estiver correta é porque ainda voltaremos a assistir ao binômio de novas quedas com notícias atemorizadoras. O retorno da dor depois de um período de alívio, causado possivelmente pelas notícias dos socorros financeiros pelas autoridades, é uma sensação insuportável.

Não importa quando essa nova fase de baixas terá início, o fato é que enquanto ela não acontecer acompanhada de uma debandada dos investidores individuais eu não me sentirei confortável numa posição comprada significativa.

Não faço idéia se algum leitor se convenceu da minha lógica. Talvez o gráfico mensal abaixo que revela o comportamento do investidor individual no trading direto na bolsa ajude nesse sentido. Caso contrário, boa sorte. Esse gráfico mostra o fluxo acumulado mensal dessa categoria de investidor, na cor vermelha, entre janeiro de 2005 até o dia 18 de setembro (parcial), o último dado disponível.


Fonte: Bovespa, KB

Conforme já foi comentado nesse espaço, os investidores individuais foram, no trading direto na bolsa, vendedores até outubro de 2007 e somente se tornaram compradores líquidos a partir do mês seguinte, quando a curva vermelha passou a subir. A única exceção foi o mês de abril de 2008 quando voltaram a ser fortemente vendedores, lamentavelmente o mês em que a S&P concedeu a classificação de investment grade ao país no dia 30. Se não fosse trágico seria cômico.

No mês de maio de 2008 os investidores individuais permaneceram hesitantes até o dia 19, dia do pico histórico do Bovespa. A partir de então voltaram às compras, encerrando o mês com fluxo positivo.

O recorde histórico de compras, sem precedentes na bolsa (não chequei os volumes durante o encilhamento no final do século XIX), ocorreu no mês de junho de 2008, decerto porque esses investidores finalmente se convenceram de que, com a confirmação do rating pela Fitch no dia 29 de maio, haveria uma avalanche de recursos para a bolsa e seria recomendável se antecipar ao movimento. Afinal os gurus diziam que os fundos de pensão e outros investidores institucionais estrangeiros somente poderiam investir em ações brasileiras depois de que duas agências atribuíssem ao país classificação de investment grade.

Enquanto isso os estrangeiros....


Fonte: Bovespa, KB

O investidor individual que comprou mal e que, pelo seu perfil, não vendeu por não suportar a idéia de ter sido o pato nessa história, a ele somente resta uma alternativa, dobrar a aposta, mas no timing correto. Antes porém, esse sujeito deveria saber que errar não é uma vergonha, faz parte desse jogo, não podendo é persistir no erro.

Para sair dessa enrascada, o investidor deveria agir de maneira oposta à dos patos. E não será fácil comprar em um eventual pânico, pois é aterrorizante. No entanto, as chances de sucesso aumentam quando não se adota a herd mentality, além do que, novas quedas lançariam os preços para níveis bem mais convidativos. Como há a hipótese de termos entrado na fase de um ajuste mais prolongado, eventuais posições adicionais deveriam ser administradas e eu não recomendaria, pelo menos pelo que eu enxergo no momento, adotar para essas posições a mesma postura de compra-e-segure.

Alguém já deu uma olhada no Baltic Dry Index?

8 comentários:

Samuel Ramos disse...

BDI é o que há:
http://www.bloomberg.com/apps/quote?ticker=BDIY:IND

Sds!

smarca disse...

KB, o foco de sua mensagem são os investidores individuais locais. E, obviamente, concordo com sua abordagem.

Mas queria fazer um parênteses sobre investidores estrangeiros, em minha opinião, mais uma informação tão propalada pela mídia "especializada" tão futil quando tantas outras.

Tentei encontrar no blog do Fact um comentário que fiz no passado, mas não obtive sucesso, diante de outro comentarista que afirmava que a bolsa só voltaria a subir quando houvesse o retorno dos estrangeiros.

Aí é que está:

- O que são investidores estrangeiros?
- Como sabe a Bovespa que determinado indivíduo operando de uma corretora nos EUA ou Inglaterra não é um brasileiro?
- Como sabe a Bovespa que determinado fundo estrangeiro não está operando às custas de quotas de brasileiros?
- O Naji Nahas, detentor de expressiva posição acionária na Petrobrás é estrangeiro, pois não é naturalizado. Ele é considerado um estrangeiro pela Bovespa?

Onde quero chegar?

Diria que, fora os investidores individuais, perfeitamente possíveis de serem identificados, tais como eu e você, tudo o mais soa apenas como balela, tal como o pré-sal, investment grade, etc., etc., etc.

Mas essa é minha opinião pessoal e, como sabe, não dou a minima bola para essas informações, até porque se fossem de algum valor teríamos que compra-las, e caro.

Não seriam divulgadas gratuitamente na mídia, no site da Bovespa ou BMF.

E gostaria de saber a sua opinião a respeito disto.

Indo um pouco mais adiante, do ponto de vista fundamentalista (sou estritamente AT, como sabe também), desenvolvi uma planilha que nunca utilizei, sabe porque?

Porque todos os dados que necessitava para alimenta-la eu obtive, exceto um: a projeção de lucro ou lucro por ação para o trimestre/semestre seguinte!

Com essa informação essa planilha seria bem legal para focar minhas ações no curto e médio prazos, via AT, mas por algum motivo ela não está disponível em parte alguma da Internet. Curioso não?

Mais uma? Tente encontrar na BMF a concentração de contratos em aberto estratificados por compra ou venda e não apenas o volume de contratos em aberto, algo bastante diferente, para descobrir o mão forte. Se encontrar no site da BMF e me disser eu lhe dou um doce, hehehe.

smarca disse...

Em tempo ... a concentração de volume aliado em determinados níveis de preço, como você e o Fact comentaram, aliados a um bom traçado, a um timing ajustado e coerentes com a personalidade de determinado ativo (sim, cada ativo tem sua personalidade própria, talvez porque os grandes players especializados sejam, em sua essência sempre os mesmos), são sim um excelente indicador, não preciso, mas um excelente indicador para acender a luz amarela.

Em linguagem simples, diria que são regiões onde ávidos compradores estão encontrando vendedores dispostos a lhes entregar a mercadoria e onde ávidos vendedores estão encontrando compradores capazes de absorverem seus lotes postos à venda.

Anônimo disse...

Sr. KB

Comentando o seu artigo, fiquei tocado quanto ao consistente conteudo psicologico em seu peculiar modo de observar o mercado de forma tao abrangente, muito ao contrario de pretensos experts, nisso ou naquilo, que dizem tantas besteiras sobre o atual momento desesperador nas bolsas do mundo inteiro, basta ver o que ja houve na Russia na semana passada; e que demonstram, mais que conhecimentos, suas emoçoes pueris.
Realmente, Freud e seus pupilos concordariam consigo em que "individual ou massivamente, ao ser evitada, por uma primeira vez, com imenso alívio, alguma dor emocional já entao insuportavel, diante de uma situaçao de expectativa de panico, aas custas de algum medicamento aparentemente eficaz por extremamente forte; em havendo posteriormente a desconfiança sobre a real eficacia do tratamento, pela constataçao inegavel e evidente de que se tratava apenas de um paliativo, a frstaçao e adecepçao sao enormes e o retorno do medo, assim agigantado, eh apavorante.
E ao voltar, por uma segunda vez, como sempre volta, a sintomatica anterior, o paciente emocional, sentindo-se enganado e impotente, entra finalmente em panico diante da crua possibilidade de lhe ser insuportavel a terrivel dor da perda da ultima esperança e para sair da angústia desta cruel expectativa, tal é seu pavor que busca as fugas mais irracionais."
Novamente o parabenizo pelo realismo e amplitude de suas colocaçoes, alem da sensatez com que friamente demonstra conhecer de forma abrangente o market, player serio e responsavel, tanto quanto proficiente orientador que mostra ser.
E frieza, alem de equilibrio, sabemos todos os medianamente conscientes, alem de servirem para melhor sobrevivermos, com mais pragmatismo, na selva geral; certamente devem ser condiçoes sine qua non, alem de conhecimento versatilizado e de nivel superior como o seu, para a sobrevivencia em mercado financeiro de alto risco como o acionario, agora em evidente declinio a nivel global. Talvez mais pelo determinismo da alternancia historica de seus grandes ciclos de alta e baixa que propriamente apenas pelos reflexos imediatistas das mazelas de seus agentes e afins do Mercado Financeiro Internacional, a meu ver, e se me permite, apenas detonadores, eis que a bomba vinha se armando, visivelmente, com todos os seus componentes, desde meados do último ciclo de alta.

Meus respeitos,

Anônimo disse...

Smarca,
Sobre os investidores "estrangeiros", na Bovespa realmente é impossível saber, mas na BM&F é fato que a grande maioria é brasileira, operando via off-shores...

Apesar disso, ainda acho a informação relevante, pois é um tipo de capital nacional diferente do "genuinamente nacional". É um capital mais especulativo, pertencente a grandes players (pra fazer toda essa engenharia, tem que ser um volume grande pra compensar), muitas vezes com informações privilegiadas, as melhores assessorias, etc... É o smart money nacional...

abs
Marcelo

KB disse...

Smarca

Fluxo determina o curso dos preços. Bons fundamentos atraem fluxo, mas maluquice também. Os estrangeiros (maioria brasileiros com dinheiro lá fora) são importantes, pois eu suspeito que eles seguem as recomendações da banca internacional, mas já assisti a altas sendo iniciadas pelos nacionais. Exemplo: a expressiva alta iniciada após o Plano Real em 1994, o estrangeiro entrou muito, mas muito atrasado pois temia pela eleição do Lulla, e somente jorrou dinheiro aqui quando as pesquisas reverteram a favor de FHC. Mas ai a bolsa já tinha andado muito. De qualquer maneira, o problema de focar o estrangeiro é que você nunca saberá o seu próximo passo, mas o investidor individual você saberá.

Projeções de lucros você encontrará por exemplo na Thompson, mas a preços salgados. Toda a minha base de dados é obtida em sites cujas informações são gratuitas. Essa eu não tenho, mas tenho em relação às empresas do SPX que já ajuda bastante, pois enquanto os vasos comunicantes estiverem desentupidos, mercado caro lá em geral é caro aqui. Mesmo assim, há critérios que pode ajudar a você suspeitar sobre se os preços estão caros ou não. Comentarei isso outro dia.

Já tentei usar contratos de pessoas físicas na BMF, mas não obtive sucesso em encontrar algum padrão.

Por que você não escreve algo a respeito e eu botarei aqui no blog?

Samuel

Desconhecia esse código na Bloomberg. Mas tenho um melhor que mostra a sua evolução nos últimos trocentos anos. Anyway, obrigado. Você é jornalista, economista, qual a tua formação? Meu email: kb1@uol.com.br

Anônimo

Você é psiquiatra ou psicólogo? :)

KB

Fact Finder disse...

BDI ain't pretty. Se ninguém acredita na desaceleração chinesa, melhor olhar pros preços dos fretes.

Samuel Ramos disse...

KB, te passei um e-milho.

Minha formação de verdade é tomar tombos no mercado. Mas essa parece que não termina nunca.
hehehe

Academicamente, um dia foi jornalista, mas felizmente nunca exerci tal ofício profissionalmente.

Fact resumiu bem: preço do frete tá mostrando bem o tamanho da bronca. E a Vale, que não soube negociar os preços como a BHP e a Rio Tinto, quer ver se tira algum agora. Mas, pô, logo agora?

Sds!