quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Afair entre Ministros... Cursos... e "Indicações"

Nem pense o leitor que o que vai ler aqui nada tem a ver com o market tupiniquim:

Mário Henrique Simonsen, penúltimo Ministro da Área Econômica, no período final da ditadura militar, já iniciou seu reinado, como plenipotenciário na tal Área (de mão beijada), no primeiro dia em que entrou para o Govêrno. Catedrático na Universidade e sempre Professoral idem na lide pública; autoridade suave mas quase emproada; era homem sério, compenetrado, um clássico gentleman, raramente irônico e à britânica; porém sem muito apetite para o poder até sair; e figuras pardas figurando no Setor.

Eis que surgiu, bem mais lááááá embaixo, como simples Ministro da Agricultura, já do último período ditatorial; Era de Figueiredo dizendo-nos ame-me ou deixe-me; o ainda jovem Delfim Neto, sorridente raposa econômica e política que comendo as galinhas e galos de plantão que estavam à sua frente, tomou a Fazenda, achou pouco; transformou o tal Ministério do Planejamento no Poder Maior; o qual assumiu, com muita garra e rara habilidade; desenvoltura; malícia demais e talvez até um pouquinho de maldade, no peito e na raça, com muita inteligência e pertinácia e FAZENDO por conta própria.

O Poder de mandar no País, via Setor Econômico, estava orfão e o caminho livre; êle, um furacão, pouco a pouco, inexoravelmente removendo as pedras, virou um Rei.

Um belo dia (Delfim sempre teve a língua muito afiada e até um 'pouquinho' solta) e sei lá porque cargas d'água êle teria dito algo, não muito acadêmico, em uma de suas muiiiiitas aparições na telinha e na press escrita e Simonsen, ou achando que era com êle, ou não concordando com o ex-aluno, mandou, pela mídia nacional, um recado e reparo a seu jeito professoral, mas já levemente crítico e até irônico; bateu forte; contestando; criticando; catedràticamente, of course.
E dando enfim, de público, mais uma verdadeira AULA ao, então já delfim, Delfim Neto.

Que, devolveu rápido; suscinto; ácido e cruel; pois não se pisa em rabo de cascavel:

"É... quem sabe, FAZ!!!... quem não sabe ENSINA".

quá.
Fim dêste Post.
Boa Sorte a todos vocês.




Hã?... ôps... êpa!... mas, acabou???... e daí?... o que isto tem a ver com o mercado?... pelo menos na atualidade?... vai cair ou vai subir?... é para comprar ou para vender?... porque subiu aqui ontem, foi a Taxa do Meirelllles?!... porque vai cair hoje, é a Taxa de Meirellles???!!!...e KD a parte sôbre os 'Cursos' e das tais desqualificadas reptícias "Indicações"???!!!

Ah, sim... pensei ter deixado claro, mas relendo, realmente parece não ter nada, nadinha a ver. MAS, tem sim: tem a ver com a personalidade de dois homens que já mandaram na Economia e tem TUDO a ver com a maioria dos tais Cursos de Análises várias, alguns com ciganagens até sôbre como prever o que vai acontecer, muitos com professores qualificados; outros nem tanto, que ora infestam o setor, diria eu, 'acadêmico', do market.

E tem MAIS A VER AINDA, com as tais nocivas e malfadadas Indicações, em que QUEM INDICA, aconselha; insinua; induz, etc: NÃO FAZ (assim como a maioria dos que ENSINAM: blá-blá-blá pra cá e blá-blá-blá pra lá, mas NÃO FAZEM e alguns nem sabem fazer. Soubessem, todos, e não perderiam tempo ensinando; estariam ricos, muito ricos, treidando. Claro que há exceções, but, só confirmam a regra e por falar em regra; chato, né, pro Prof. Simonsen: logo pra cima de quem êle foi ..... regra).

Ah, sim...(de novo): se alguém pensou ao ler que sou fã do Delfim ou desgosto do outro (que anos depois de ser Ministro da àrea Econômica, chamado pela CVM a dar parecer se o Nahas havia ou não agido mal naquele velho escândalo no Market, disse que não viu nada de mal, ou algo bem parecido) ou que eu goste, ou desgoste, de uns professores de Cursos, ou que pretenda aqui acautelar sardas e ou patos e destratar tubas e outras feras que predam... não entendeu nadinha; pois apenas e simplesmente; contava a vocês; como se pode ou se deve, não usar, ou usar mal, algo dado de mão beijada.

E como, on the other hand, ao pesquisar; escarafunchar; garimpar e peneirar a fundo; com meticulosidade e com paciência; pertinência; abrangência e malícia; usando até um pouquinho de maldade; uma pessoa pode [e deve, sòzinha, observando muito e estudando auto-didàticamente um pouco, ou muito, de tudo, de bom, que que se vê e que lê pelas praias não poluidas nem comprometidas do mercado (leiam o último Post do KB, não é bom, é ótimo, como sempre) e um pouquinho até, mas só um pouquinho, na mídia dita especializada] aprender a abrir caminho num galinheiro e, após tentar, apalpando devagar e com calma e muiiito juizo, conseguir por mérito e suor próprios, aprender a FAZER.

...nem que seja apenas uma canjinha.

2 comentários:

Bob disse...

Resumindo: é fundo de curto prazo ou não?

Vestiburlando de Medicina disse...

Ice:

quando o Millor, ainda jovem, foi escrever no Pasquim, tomou meu lugar (ninguém soube, nem êle nem o Pasca).

quá... lembra-se do pescoço do Cisne no balé A Morte do Dito?... e do farfalhar da capa do Batman quando êle MERGULHA lááá do Pico de um prédio?...isso é mais uma dobra da tal capa e não vá surfar agora que a Tsú te pega.

tá multado em 15 pilas... pô: quebrou nossa Regra de um elogiar o outro, etc.