quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Mares Nunca Navegados

Eu tenho o hábito de navegar pela blogosfera voltada ao mercado financeiro. Na seção de comentários desses blogs os bulls e os bears se hostilizam bastante, tornando impossível a convivência entre ambos. No começo da existência de um blog há uma luta renhida entre as duas facções, sendo que a vencedora é sempre aquela alinhada à linha adotada pelos autores do blog.

Eu nunca fui fã de Alan Greenspan, pelo contrário. Embora totalmente inofensivo, eu sempre fui seu crítico feroz, e sempre atribui a ele uma parcela significativa de culpa pelo embroglio em que nos encontramos. Nos blogs norte-americanos, onde prevalecem os bears, há bastante tempo eu venho observando um rancor crescente contra os banqueiros e contra as autoridades que deveriam regulamentar as suas atividades, o Fed no caso dos bancos e a Sec no caso dos broker dealers, bem como contra o Tesouro, que acaba se confundindo com o governo.

Não sem razão, pois a crença da autoridade monetária sobre a capacidade do mercado se auto-regular em um ambiente em que a própria autoridade, com sua política monetária assimétrica, sempre estimulou desatinos sem punições financeiras (moral hazard), se provou incorreta e ingênua. Minha tese vai além, e arrisco a afirmar que a banca cooptou as autoridades monetárias, sob o nariz do Average Joe (o americano comum), iludido que estava com os crescentes preços do mercado imobiliário.

Tenho observado um certo regozijo entre os bears nos EUA sempre que uma instituição financeira vai à lona. Me parece que o Average Joe não se deu conta de que atingimos um ponto em que ele poderá vir a ser o mais prejudicado nessa história. Os banqueiros sairão dessa com os seus bolsos não tão cheios quanto antes, mas ainda assim serão bem mais cheios do que o meu e o seu.

Atingimos um perigoso ponto em que os smart players não têm mais a mesma confiança no sistema financeiro. Um sistema financeiro combalido pode ter conseqüências épicas para o lado real da economia. Os níveis dos CDS (credit default swap) de 5 anos, que é o preço que se paga pelo seguro de crédito contra eventual falência do emissor do título, atingiram ontem, dia 17, níveis que tornam inviáveis as existências de vacas sagradas. A fuga dos bancos atingiu o ponto em que uma T Bill de 3 meses ontem remunerava 0% aa.

Ou o Average Joe se convence de que serão necessários novos socorros às instituições combalidas, claro que em condições punitivas, ou correremos o risco de assistir a movimentos tectônicos. Para piorar o quadro nos EUA o atual presidente é politicamente fraco e o seu mandato está se esgotando. Há o risco do Congresso norte-americano não apoiar ou demorar a apoiar medidas antipáticas de socorros adicionais ao sistema financeiro.

Não li nenhum comentário mais abrangente que chamasse a atenção sobre as implicações do corte nos juros básicos pelo banco central chinês há 2 dias atrás, se eu não me engano. Nenhum banco central corta os juros quando o quadro é róseo. Quando foi que o Fed começou a cortar os juros? Pois bem, o governo chinês piscou (lá tudo se confunde com o partidão). Já comentei nesse espaço que um terço da economia chinesa é voltada às exportações.

Até há pouco tempo Pindorama surfava as ondas das commodities provocadas em boa parte pela voracidade chinesa. A crise externa até o momento atingiu em nosso país somente quem imprudentemente seguiu os conselhos dos pastores dos buy-and-hold (ou hope?). O câmbio somente agora começa a incomodar as autoridades e a crise nem de longe preocupa o comando político do governo de nosso país, embriagado que está com os altos níveis de aprovação e com uma taxa de crescimento do Pib que é coisa do passado.

Através desse blog eu ocupo uma infinitésima fração do espaço cibernético para discutir sobre o mercado financeiro, particularmente o de ações. O meu objetivo é tentar vislumbrar a direção que os preços das ações irão tomar, particularmente as do mercado em Pindorama.

No entanto, me parece mais sensato, nesse momento, nos preocupar com a nossa sobrevivência, pois a crise poderá bater na minha e na sua porta, mesmo não estando posicionado no mercado, pois as ramificações no lado real serão globais na falta de medidas urgentes.

12 comentários:

Samuel Ramos disse...

KB, de que maneira esses socorros punitivos se dariam nas instituições combalidas? E como eles seriam feitos?

Nos bastidores, se ensaia um resgate estilo S&L, com o governo abrindo uma agência para comprar TODOS os títulos que estiverem podres. Acho que esse deverá ser o próximo passo.

O problema é que a S&L foi resolvida com duas centenas de bilhões, a atual é de um tamanho inimaginável. E não está isolada nos bancos, vide recente compra da AIG pelo FED, e lobby semelhante por parte da Ford e GM. Aliás, as grandes empreas, praticamente todas as majors, ampliaram de modo absurdo os seus braços financials, estava mais lucrativo financiar do que fabricar.

E com 500 trilhões em derivativos no sistema, acho difícil que haja uma saída que não provoque movimento tectônicos, seja ela envolvendo resgate público ou não.

Sds!

Anônimo disse...

Aproveitando a oportunidade dada dentro deste post resolvi trazer informacoes daqui dos EUA:
09/16:
- Com a volatility do mercado, Average Joe inicia o questionamento sobre "is my money safe?". A pergunta mais presente foi saber sobre bancos como o WAMU(Washington Mutual) e outros bancos que estao na corda bamba. Resposta para o publico: Se voce tem na sua conta/aplicacao (Certified Deposits, High Yield savings, cash) um total de $100,000.00 esse valor esta covered by the FDIC.
- O Average Joe esta BEM preocupado com seus modestos investimentos e nao sabe muito sobre o que REALMENTE esta acontecendo...
- Real State: Valor de casas estao caindo em certos Estados. Nao atinjindo certas areas. Perto de Washington DC, ainda se encontram casas (feitas com material de construcao barato - dry walls, etc) a venda por um preco fora da realidade desse current market. Exemplo concreto: em uma area considerada "good neighborhood" acham-se single family homes/townhomes sendo VENDIDAS por 600K ate 900K (com mortgage rate de 6.25% semana passada, e agora 5.5% durante essa semana). Exemplo que ainda nesse mercado o Average Joe continua enfiando os pes pelas maos. E o Bancos??
09/17:
- President Candidates: "Precisamos fazer algo em relacao a Economia dos EUA" - esse jargao ja esta virando piada. O povo sofre pela ignorancia geral e sofre pela lack of informacao oferecida.
- Alguns Average Joes mais cautelosos e espertos decidem que o melhor agora e ter cash e esperar para ver...
- CNBC analist menciona que a China decidiu "to liquidate US dollars holdings and replaced with Gold".
- EUA inflacao ja esta a mais de 5%. Rendimento nos bancos (savings, CD's) nao pagam mais que 3%.
09/18:
-$180B injected in the market - Too late?
:-( Bush speaks - Too late?
- Average Joe (os mais espertos): Porque o Bush ha um ano atras disse que tudo estava bem com a economia e agora isso?
- Sobre o Congress: Maioria agora e da democratic party - tem boa intencao but are not proactive!

Desculpe-me pela interferencia e agradeco a oportunidade de adicionar esses comentarios aqui e espero que sejam somewhat uteis.

aguia disse...

pô Anônimo!!!

VOLTE SEMPRE!

KB disse...

CARO SAMUEL

Os banqueiros irão se safar dessa com muito dinheiro ainda no bolso. Um ou outro se tornará um bode espiatório para satisfazer o cidadão comum.

As condições punitivas estão sendo aplicadas somente aos acionistas. Até onde eu sei somente os credores da Lehman Brothers se lascaram, os demais receberam em dia.

ANÔNIMO

Se você mora nos EUA o governo americano garante o seu depósito até um certo teto (precisaria pesquisar sobre o valor). Eu não sei se abrange time deposit (CDB), mas decerto que deposito a vista.

Eu sei de uma coisa e me certifiquei ontem. A legislação alemã garante depósitos a vista e poupança, pasme, até 193 milhões de euros, per capita!!!

Por exemplo, se você tiver conta no UBS (banco de origem suiça), mas com o branch na Alemanha, você terá o seu dinheiro garantido até esse valor, podendo estar atrelado ao euro ou ao dólar.

Boa sorte a todos, pois
vamos precisar.

KB

Anônimo disse...

O EUA tem um orgao FDIC (Federal Deposit Insurance Coverage) que garante 100K para as contas correntes (com savings in Certificate Deposits, High Yield) e up to 250K para retirement (aposentadoria) accounts. Nao todos os bancos sao FDIC approved. Esse valor de 100K foi estipulado a mais de 20 anos...

KB disse...

ANONIMO

Eu sabia dos $100 K garantidos pelo FDIC (não me lembrava que nem todos estão sob o guarda chuva do FDIC), mas não sabia do teto dos aposentados.

Obrigado pela informação.

KB

Bob disse...

Amigo meu que morava em Boston e recebeu convite para trabalhar em Chicago. Pagou pelo AP dele US$ 600K. Reformou e esperava vender pr 1mmilão. A melhor oferta em 14 meses foi de 400 mil dolares. Dureza

Samuel Ramos disse...

KB,

Que os banqueiros vão sair ilesos (mais uma vez) eu não tenho a menor dúvida.

Aliás, vão sair até mais fortalecidos, visto que vão deixar as perdas com o contribuinte, enquanto aproveitam para consolidar ainda mais as próprias posses. É só analisar o caso do FED, que comprou a AIG com dólares que ele mesmo imprime.

Só não entendi bem como a idéia de socorrer as instituições combalidas possa ser feito nesse momento, sem implicações severas no déficit americano e no dólar.

Irão precisar de captações ou de monetizações monstruosas para retirar toda a podridão do sistema. De um jeito ou de outro, não vejo como não virar um MEGAPLUFT.

Sds!

KB disse...

SAMUEL

Na crise de Hong Kong o governo daquele país comprou um terço da bolsa no pânico durante a crise asiática na década de 90. E vendeu com um baita lucro anos mais tarde. Compra em pânico tem elevadas chances de dar certo se for o governo (strong hand) o comprador e se a crise não for doméstica.

No caso do Tesouro americano eu já não tenho tanta certeza se o contribuinte terá de volta parte da grana que ele irá bancar, pois o epicentro da crise se encontra lá. Crise bancária nunca custou menos do que 8% do Pib que, no caso dos EUA, significaria U$ 1,1 trilhão. Para mim esse é o número por baixo. Me lembro que em um país da Ásia a conta chegou a 25% do Pib, mas se me lembro bem foi a conta mais pesado na história.

Isso é déficit fiscal cuja conseqüência será o aumento da dívida federal que poderá ser financiada via colocações de títulos (conseqüência seria o aumento nos juros) ou via aumento dos impostos ou uma combinação. Há o risco dos EUA perderem um Azinho do AAA de seu rating, o que seria um baque para aquele país, para o Dólar e para os mercados globais, mas penso que a queda no rating do Tesouro americano somente iria acontecer se a conta superasse os 15%, pois o endividamento federal dos EUA suporta os 8% sem perda do rating.

Vi esses números recentemente e li algo a respeito, somente não irei citar os números, pois a memória irá falhar e eles não serão exatos.

De qualquer modo, o sistema financeiro não será mais o mesmo. Haverá um backlash político e engessarão o sistema financeiro, com o risco do pêndulo pender para o lado oposto. Regulamentação em excesso é ruim para a economia, mas eles aprenderam (nós já sabíamos) que sem nenhuma é até pior.

As conseqüências sobre o mundo real das economias globais estão ainda para acontecer, mesmo que realmente seja orquestrado o socorro generalizado por parte do governo. A queda no multiplicador bancário fará o estrago.

Eu cunhei uma expressão: tenha opinião, mas duvide dela. É o meu caso. Essa é a minha avaliação, mas não dou um tostão por ela.

KB

Monitor Financeiro disse...

Prezado KB,

Fui indicado a conhecer seu blog e agora entendo o porquê.

Não encontrando aqui um canal para fazer contato em pvt, gostaria de convidá-lo, e obter sua permissão, para incluir este endereço na listagem do MF.net

http://monitorfinanceiro.net

Trata-se de um agregador de conteúdo da blogosfera, do qual já fazem parte seus companheiros do 5 pesos de 2kg e Markets by FF.

Pode pedir referências a eles sobre o nosso trabalho editorial, que sempre atribui os devidos créditos aos autores, também exibindo o link para a fonte de origem.

A divulgação do trabalho - ou aumento no número de visitantes - pode não ser seu maior objetivo, mas no mínimo haverá uma grande contribuição à comunidade financeira por compartilhar com os interessados as atualizações no blog.

A este texto "Mares Nunca Navegados", especificamente, pediria sua autorização para publicá-lo como um artigo em destaque em nossa home page, pela particularidade opinativa da mensagem que ele traduz.

Fico no aguardo pela sua sinalização positiva.

Att

Monitor
p/ Equipe Monitor Investimentos
www.monitorinvestimentos.com.br

KB disse...

Monitor Financeiro

Não sou o único colaborador desse espaço. Tem ainda um carcamano que, por absoluta incompetência, ainda não conseguiu que fosse incluído como colaborador :)

Eu teria que consultar os meus pares.

KB

Monitor Financeiro disse...

Prezado KB,

Entendo perfeitamente seu argumento e conto com a anuência de seus pares para divulgarmos o espaço, compartilhando o conteúdo de qualidade aqui exposto pela equipe.

Aproveito para convidar todos os colaboradores e comentaristas mais efetivos ( Aguia, Bob, Smarca e demais... ) - que tenham porventura um endereço próprio - para visitarem o site e conhecerem a proposta do agregador de conteúdo, juntando-se ao amigos Samuel, Fact Finder e outros autores de excelente qualidade no www.monitorfinanceiro.net

Textos desta relevância devem ser mesmo difundidos para que o senso de julgamento e avaliação dos acontecimentos no mercado ganhem um upgrade com o caráter isento e opinativo das questãoes aqui abordadas.

Vamos buscar dinamizar o número de visitas aos sítios e estabelecer um relação de parceria que seja proveitosa para todas as partes.

Peço a gentileza de apoiarem a idéia, concedendo autorização para incluir links de seus blogs pessoais (ou comunitários) pelo email de contato
monitorfinanceiro@gmail.com.

Ficamos no aguardo de receber suas visitas e obter uma sinalização positiva para consolidar estas parcerias.

Atenciosamente

Monitor