sábado, 27 de setembro de 2008

há muitos buracos e poucos dedos

Estava relendo o meu veneravel Mestre corujão e pensando com meus botões, todos nós já acordados, que certamente o que ainda está represado e a quantidade de buracos no dique da economia mundial e especìficamente na americana, só o tempo, doravante impiedosamente, vai precificar no contexto geral do Mercado Financeiro gringo e Internacional.

Penso que não temos ainda como agregar às contas 'já feitas', mesmo às meticulosamente bem feitas, as contas que ainda não foram levantadas para a inclusão, no tamanho do rombo da insolvência, as instituições financeiras podres que 'ainda' não cairam e mesmo um bruxo insider, mais por dentro (e com números mais redondos) que carôço de abacate, deve saber - entre outras coisas - quais os Bancos gringos que ainda vão quebrar, quando tôdas as fichas finalmente cairem, de podres, digamos assim mais no popular.

O dominó, penso eu, siquer começou a desmoronar e a corrida de rearranjo das peças já começou, pois depois que o Lehman quebrou sem refresco; por não conseguir vaga no tal hospital de urgências de Paulson e dos dois FEDs; as ações de encampações extra-oficiais já estão à tôda, na calada e na superfície onde o Merrill Lynch se vendeu pro Bank of America por uma bagatela (deságio de um têrço de seu valor) e já mais lá looonge, além mares, lá na terra mãe dêles, em consequência da contaminação da mesma virose da bôlha das casas, o HBOS (um primo Inglês de Fannie e Freedie, as gringas já curativamente estatizadas a oxigênio e sôro no vapt-vupt hospitalar) foi velozmente absorvido pelo Lloyds, devido à infecção generalizada da securitização do troca-troca das hipotecas na, chamemos assim, globalização da gananciosa alavacagem dos prêços das casas, coisa simples e que poderia ter sido administrada com pouca bala, se preventivamente.

Assim, dá para se esperar e temer que o caso da AIG e os demais, já detectados, ou não, e em andamento corrosivo acima e abaixo dos panos, possa não ficar só nisso aí que já veio à tona: os primeiros afogados na grande reprêsa.

Quanto às consequências desta situação para a massa de contribuintes do mundo todo que no final desta atual novela (reprise, repito sempre, de velhos filmes) vai ter que suar para varrer a lambança do carnaval de rua dos banqueiros envolvidos nesta escandalosa mega especulação, quando apurada finalmente a conta da festa, lá; ali; alhures e aqui... isto, só com o tempo de duração desta prenhês em andamento; para se saber o tamanho paquidérmico do feto que nós, o povo, vamos ter que parir na hora da dor, de pagar.

Por ora, é aguardar a aprovação da apenas sofrivel pseudo solução a ser lenta e 'altaneiramente' (quá) aprovada pelo Congresso Americano, atendendo patriòticamente ao pedido desta PRIMEIRA parcela curativa (não se enganem todos êles que nos enganam a todos); a qual, a ficar só nisso, vai refrescar é claro, mas nada além disso; se, nada nada, além disto, for feito; como a, aos quatro ventos já ventilada, 'reestruturação do SF'; velho sonho, mas que passados os pesadelos, é sempre esquecido; e mesmo assim, só viavel se; enquanto e se tentarem reestruturar mesmo, refreando as exóticas e exuberantes (by Sir Alan) alavacagens absurdas; puzerem muito, mas muiiito mesmo, mais bala, nesta briga que está apenas começando, já que a grande onda, apezar de bater forte e de uma só vez, é sempre lenta em se armar.

Quanto ao atuais primeiros sofredores, os pequenos (alguns nem tanto, pois compraram casas de 300 por mais de um milhão) mutuários inadimplentes, tenho a informação de que já recebem cheques ao portador do govêrno e esta grana certamente está já calculada e provisionada na mesma enfermaria-ciranda da UTI do hospital geral do Paulson; do Bernenke e do cara lá do FED de NY que são os que estão tentando enfiar os dedinhos nos buracos já detectados e já sabem que vai faltar dedo para os ainda não contabilizados; enquanto o Bush que não manja nada disso, anda por aí sorrindo.

De que, eu não sei, mas, pensando bem, outro dia vi o meu presidente, na TV, rindo disto tudo também; sinal talvez de que a gente está se preocupando por nada, nadinha;
apesar de que, pelo menos nesta questão, sei que, apesar das juras oficiais que afirmam que estamos 'blindados' (lembra Fact?... pois é, disseram mesmo a tal palavra), vamos levar pelo menos uma desvantagem, entre a crise que 'é só do Bush' e a que não vai acontecer aqui devido aos nossos sólidos 'fundamentos'... e a nossa pequenina desvantagem é que, se as manteigas da blindagem estiverem erradas, pelo menos o Bush tem mais dedos para tapar buracos que o meu alegre e sorridente presidente em campanha, sagaz sempre e que até disso; por mais honroso que tenha sido; sempre tira lá suas vantagens políticas, sindicais e ou partidárias; muito inteligente que é e só não mais culto porque simplesmente ou estratègicamente não quiz.

Ainda bem que para os investidores mais ajuizados existem vários tipos de aplicações defensivas, onde podem abrigar seu sagrado dinheiro, sempre ganho honradamente, para esperarem o tsunami passar; ou, para os mais impacientes; mas só depois de darem certo, se derem; as operações de salvamento dos atuais pacientes na UTI e dos da fila lá do hospital maior; cogitarem novamente de operações de prazos, curto; médio ou longo (tanto faz e só depende de gôsto individual); no alto risco especulativo.

E enquanto esperamos, pelo menos eu, velho pássaro e sempre curioso observador, vou relendo os meus professores; eis que sei que não sei nada (como dizia o senador grego que tomava porre de sicuta), sabendo assim um pouquinho mais que muitos que pensam que sabem muito; sem falar dos que acham que sabem tudo, geralmente patos.

A TODOS, BOA SORTE.

2 comentários:

Bob disse...

Aguia, em nada discuta que os buracos desta represam são muito e vão romper. BUT, as medidas de regaste de curtíssimo podem dar um alento 2-3 semanas maybe

aguia disse...

...talvez meses Bob, rú nôus???

pelo que lastreia o KB que sempre vai fundo, os Grandes Brancos já desovaram as alavancagens na MASSA (a tal Tranferência, outra pedra cantada, leeembra?); e ela, a plebe, sempre 'ignara' - segundo o Stanislaw Ponte Preta sobrinho de Zulmira lá da Boca do Mato mãe do Jacarepaguense Altamirando primo do Sérgio Porto êle o próprio Stan - está segurando na brocha da esperança, pois; ao contrário dos ratos; é a última a abandonar o navio do tal 'portfólio'... BUT
(by U) ouço ainda o tal murmúrio estranho vindo de outros ares, digo, mares: na minha mão direita uma baita âncora (ia escrever uma puta âncora, mas lembrei-me dos parentes lá de Maryland que pago pra nos visitar aqui, já que a visita de January é por conta dêles); na esquerda o salva-vidas... se bem que a canoa já no sêco, no alto do penhaskim, tipo a arca de Noé depois da tsú dêle.

mêibi noti ounli uâni uík...

garantido só o day... a velha estorinha de que os gringos pensam melhor na noite after.

quá... mais essa!... fui digitar a 'verificação de palavras', tava lá:

pcrabull

...juro,rsrs.

voltei lá: fuqbvc