sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Stocks for the Long Run – III

Avaliar o comportamento do Bovespa nominal é esquecer que não existe inflação. Descontado pelo cdi é covardia.

Optei então por ajustar o índice Bovespa médio em cada mês pelo Ipca, sendo que em outubro eu usei o fechamento do Bovespa nessa sexta-feira, 31482 pontos, para melhor ilustrar o ponto em que nos encontramos. Estimei o Ipca de outubro igual ao de setembro.

O resultado foi o gráfico mensal abaixo que cobre o período desde janeiro de 1986, véspera do Plano Cruzado, até o dia de hoje, 24 de outubro.


Fonte: KB

Para quem não está familiarizado com esse exercício, o gráfico mensal acima mostra a história do Bovespa como se não tivéssemos tido inflação no passado, ou seja, a preços de hoje. As pontuações indicadas no gráfico comparam-se, portanto, com a cotação de fechamento nessa sexta-feira, 31482 pontos.

No bull market que já se foi, somente quem comprou até agosto de 2005 está ganhando, com exceção do pico em 2000. A partir desse mês está debaixo dágua, ou seja, perdendo para a inflação.

6 comentários:

turma do boteco disse...

De uma certa forma, a Bovespa tem sido favorecida pelo Bull Market do mercado acionário nos EUA que vinha desde agosto de 1982.

A minha expectativa é que, nos próximos anos, a Bovespa sinta os efeitos negativos da mudança de mercado de Bull para Bear de Wall Street.

aguia disse...

quá...

nostàlgicamente me lembro muito bem de quando DJIA alcançou, pela primeira vez, os inacreditaveis e inverossimeis píncaros dos 3 mil pontos...

foi uma puta festa!!!

Daniel disse...

Ok, mas quando vc diz: "No bull market que já se foi...A partir desse mês está debaixo dágua, ou seja, perdendo para a inflação." Vc não está considerando os dividendos, bônus e JCP. Certo? Como isso entraria na brincadeira?

KB disse...

A brincadeira, caro Daniel, para quem pensava que os dividendos não foram considerados, fica pior ainda :)

Julgo apropriada a tua colocação, pois acho que tem muita gente que não sabe como o índice Bovespa é construído.

Quando um papel distribui dividendo, ele fica ex-dividendo, ou seja, quem o compra no dia seguinte ao que ficou ex-div, o adquirente não tem mais direito ao dividendo. O fechamento anterior é diminuído pelo valor do dividendo e toda a base histórica do papel, como você sabe, é ajustada.

Ai que entra o detalhe que muita gente desconhece e que deveria conhecer a partir do 1o. dia em que se meter a operar na bolsa.

Apesar do papel cair no montante do dividendo, a sua participação no índice é mantida!

Ora, isso acontece porque o fator correspondente ao papel é aumentado de tal maneira que participação do papel fique igual ao que era antes.

Isso quer dizer que o dividendo foi reaplicado.

Touché.

Bônus. Não existe essa figura jurídica como remuneração ao acionista.

Daniel disse...

Entendi, vacilo meu.
Acho que ainda tô procurando um jeito de me enganar, mas tá difícil até pra isso. É meu segundo ano operando, e no momento me enquadro na categoria "pato". Ultimamente tenho operado somente venda coberta, poucos trades e ainda seguro um monte de micos na mão. Tinha achado que a VC seria a salvação dos meus problemas, mas já ficou bem claro que não é bem assim.
Mas é isso aí, agradeço e parabenizo vocês pelas postagens, o blog já virou minha principal fonte de referência no mercado, leio o rss todos os dias.
Grande abraço,
Daniel

KB disse...

Daniel

Essa tua confusão com os indices não é sem motivo, pois lá fora isso não acontece, por exemplo com o DJIA.

Quando a Microsoft deu um split de 100% anos atrás (acho que no inicio da decada) a participação do papel caiu pela metade.

Vc disse: "Tinha achado que a VC seria a salvação dos meus problemas, mas já ficou bem claro que não é bem assim. "

Sorry, mas eu não tenho o cacife do Warren Buffett :)

Boa Sorte meu caro, pois eu também vou precisar quando resolver mergulhar no mercado.