sexta-feira, 17 de outubro de 2008

My Take

Os mercados estão reagindo à redução do risco sistêmico, conforme já mostrava a evolução dos prêmios dos CDS bancários. O risco sistêmico ficou para trás, mas ainda o mercado terá que precificar todos os danos na economia real (main street).

O alívio no caixa dos bancos ainda não se traduziu na movimentação da engrenagem, o multiplicador bancário, e nem irá por um bom tempo. Entre os próprios bancos reina ainda muita desconfiança, embora ela esteja decrescente.

A Ted Spread, diferencial entre a Libor de 3 meses (custo de financiamento interbancário em dólares) e a T Bill do mesmo prazo finalmente começou a cair bem. Ontem estava em 407 pb (pontos percentuais) e hoje, nesse momento em que escrevo, em 357 pb. Porém, ainda está a léguas de distância da média histórica que se situa em torno de 45 pb.

Nas corporações a tensão permanece em alta. O spread entre os títulos de alto risco (High Yields) e os do Tesouro, a parte mais sensível do organismo econômico e, portanto, o spread que deve ser monitorado, continua piorando. Ontem bateu novo recorde e hoje, no momento em que escrevo, se reduziu apenas 1 pb, ou seja, nada.

Se você quer ter uma boa avaliação da saúde da bolsa, nunca deixe de olhar os spreads HY. Nesse meio encontra-se muitos segredos.

O impacto sobre os lucros será enorme e o percentual de default aumentará entre as corporações. Do jeito que a queda estava se desenrolando, o mercado estava precificando o fim do mundo. A pausa nos últimos dias mostra que os players não mais julgam que o dia do juízo final chegou.

Ontem o Bob falou em reação. E não foi à toa que ele disse isso. Anteontem (quarta-feira) foi registrado um forte DCB na Bovespa sem que tenha vazado nenhum suporte. DCB que não viola nada em geral significa exaustão da baixa. Porém, o mais provável é que será uma exaustão temporária, uma pausa.

Eu sei que as pessoas físicas aqui irão jogar a toalha e será uma grande momento de entrada, mas eu não sei se isso irá acontecer antes do primeiro rali aproveitável. Não tenho nenhum critério para descobrir essa resposta e até o momento só fizeram aumentar a aposta, ou seja, parece que querem se afundar na lama. Se é para aumentar a aposta, uma tática que será em algum momento bem vinda, deveria ser implementada no tempo certo.

Eu sei que lá fora, por experiência, os traders de opções nunca deixaram de ficar pessimistas no fundo e eles não atingiram esse ponto. Esses são mais ágeis do que as pessoas físicas menos ativas no mercado e, portanto, respondem mais prontamente, embora recentemente o seu padrão passou a ser também de letargia.

Em outros tempos o volume nessa sexta-feira seria considerado muito bom, mas em relação à média dos últimos dias está fraco, 25% inferior ao de ontem e 28% abaixo do volume do DCB. Em linha com a tese de que a reação nessa sexta é um relief rally que pode ter continuidade, apenas fruto de uma reavaliação de que não será agora que o mundo irá acabar.

7 comentários:

Carlos Magno disse...

KB,
no dia que teve aquele circuit break duplo, antes de abrir o mercado, eu estava em uma reunião.
Antes dela começar, alguém começou a falar em bolsa, dizendo que estava na hora de entrar.
Eu disse que era melhor pensar nisso de novo, abaixo dos 30 mil pontos e fui vaiado.
A questão das PF's, talvez não seja só o fluxo, pois muitos sairam em níveis acima e olham a queda, acham que ficou tudo barato e resolvem entrar de novo, enquanto alguns que estão sangrando, saem.
Creio que isso está ocorrendo, em função dessas conversas que volta e meia ouço sobre como a bolsa está "barata", mas é difícil de mensurar.

Fact Finder disse...

Kay bee, eu não consigo tirar conclusões confiáveis acerca do volume às vésperas de vencimentos...

Fact Finder disse...

CM, em breve a bolsa ficará igual à do Japão, barata há 10 anos. :D

Carlos Magno disse...

Fact,
A bolsa poderia até estar barata. O problema é a taxa de desconto.
Qual deve ser utilizada?
E na aversão a risco ela é alta pra caramba.
Fala do Japão eu lembro do Nick Leeson. No filme o índice apontava 18.000. E isso tem tempo. Hj tá a quanto?
Os EUA voltaram uma década. Ou mais.
Se atualizar o Dow, S&P pela inflação... Nasdaq é covardia...
É assustador!

Carlos Magno disse...

Fact,
em 2002 e 2003 o hoje Down, tocou nos 7500 e reagiu.
Em 2005 e 2006 batia nos 10.000 e recuperava.
Neste ano nem tomou conhecimento.
Parecia que ia direto testar o fundo do Bear anterior, e romper.
O trem tá feio...
Carlos Magno

KB disse...

Fact

De fato, perto do vcto os volumes, particularmente no dia, distorce tudo.

KB disse...

argh! ...distorcem tudo.